COMO EVITAR AS CRISES DE ASMA

A melhor forma de prevenir os ataques de asma é através da identificação e da restrição ao contato com as substâncias que podem desencadear crises.

A asma é uma doença pulmonar crônica provocada por inflamação das pequenas vias aéreas dos pulmões, que cursa, habitualmente, com crises de chiado no peito, tosse seca e dificuldade respiratória.

A asma é um problema que costuma se manifestar em ataques, chamados de crises de asma, que vão e voltam com intensidade e frequência que variam de acordo com a gravidade da doença.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

A asma pode até curar-se sozinha com o passar dos anos, mas enquanto isso não acontece, o paciente deve tentar minimizar a intensidade e a frequência das suas crises de asma. E a melhor forma de prevenir os ataques é através da identificação e da restrição ao contato com os alérgenos, que são substâncias que podem desencadear os episódios de crise de asma. Tão importante quanto tratar a asma é evitar o contato com substâncias que desencadeiem as crises.

Neste artigo vamos explicar quais são os alérgenos que mais estão associados com as crises de asma e que fazer para minimizar o risco de ataques.

Se você procura por informações mais abrangentes sobre a asma brônquica, incluindo causas, sintomas, diagnóstico e tratamento, acesse o seguinte artigo: ASMA – Sintomas, Diagnóstico e Tratamento.

Como identificar os fatores que desencadeiam as crises de asma

Chamamos de antígeno toda substância que ao entrar em contato com o nosso organismo é capaz de desencadear uma resposta imunológica. Um antígeno pode ser desde uma bactéria ou vírus até substâncias banais, como proteínas de alguns alimentos ou pólen no ar. Quando um antígeno gera uma reação alérgica no organismo, como é o caso da asma, ele também pode ser chamado de alérgeno.

Existem vários antígenos que estão fortemente relacionados ao surgimento das crises de asmas. Esses alérgenos são chamados de gatilhos da asma. Pólen, mofo, poluição do ar, fumaça do cigarro e pelo de animais são apenas alguns exemplos. É importante destacar, porém, que os gatilhos não são sempre os mesmos para todos os pacientes. Um antígeno que desencadeia uma crise para um asmático pode ser completamente inócuo para outro.

Por isso, é importante que o paciente asmático tenha bastante atenção ao padrão das suas crises de asma. Por exemplo, se as crises ocorrem principalmente em casa, é provável que haja algo algum antígeno nesse ambiente agindo como gatilho. Se os sintomas agravam-se na primavera, uma alergia a substâncias presentes no ar torna-se uma hipótese provável.

Testes cutâneos podem ajudar o paciente e o seu médico a identificar alguns alérgenos mais comuns. Pólen, ácaro e pelo de animais são alérgenos comuns que podem ser identificados através dos testes cutâneos. Muitas vezes, porém, o antígeno que age como gatilho é bastante óbvio, não havendo necessidade de exames laboratoriais mais complexos para a sua identificação.

Situações que podem desencadear as crises de asma

Como a asma brônquica é uma doença das vias respiratórias, é muito comum os pacientes e seus familiares acharem que os alérgenos que servem como gatilho precisam necessariamente ter origem no ar respirado. Existem, sim, muitos alérgenos que entram em nosso organismo pelo ar, mas há dezenas de outros gatilhos da asma que não utilizam as vias aéreas para provocar crises.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

A seguir vamos citar alguns dos gatilhos mais comuns da asma:

1- Antígenos presentes no interior das casas e edifícios

Na maioria dos pacientes, os gatilhos estão dentro da própria casa. O quarto e a cama do paciente asmático devem receber atenção especial, pois a presença de qualquer um dos elementos abaixo pode ser a causa das crises de asma:

  • Pó.
  • Mofo.
  • Pelo de animais (saliva, urina e pele de alguns animais também podem agir como alérgenos).
  • Ácaros (comumente presentes nas camas, sofás e carpetes).
  • Baratas (saliva, dejetos e partes do corpo da barata contêm proteínas que são alérgenos).
  • Cheiros fortes, como perfumes, água sanitária (lixívia) ou aerossóis.

2- Antígenos presentes no ar

Fatores ambientais também são importantes na ativação das crises de asma. Alguns períodos do ano, como a primavera e o outono, são especificamente problemáticos para alguns pacientes. Entre os fatores desencadeantes mais comuns presentes no ar, podemos citar:

3- Medicamentos

Alguns medicamentos podem provocar crises de asma em pacientes sensíveis. Os mais comuns são:

4- Infecções

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

Infecções das vias respiratórias também podem agir como gatilho para uma crise de asma. As causas mais comuns são:

5- Asma ocupacional (relacionado ao trabalho)

A exposição frequente a algumas substâncias presentes em produtos industriais podem não só desencadear crises asma em pacientes asmáticos, como também tornar pessoas previamente saudáveis em portadores de asma de brônquica. Entes os trabalhos com maior risco estão:

  • Carpinteiros.
  • Pintores.
  • Agricultores.
  • Soldadores.
  • Metalúrgicos.
  • Trabalhadores da indústria têxtil.
  • Marceneiros.
  • Trabalhadores que tenham contato com corantes, produtos de limpeza, resinas, plástico, colas ou alvejantes.

6- Outros possíveis gatilhos da asma

  • Exercício físico
  • Flutuações hormonais normais do ciclo menstrual.
  • Elevada umidade do ar.
  • Ar seco.
  • Gravidez.
  • Estresse psicológico.
  • Ansiedade.

Dicas que ajudam a prevenir os ataques de asma

Uma vez identificados os gatilhos das crises de asma, o paciente deve fazer de tudo para eliminá-los de sua vida. Quando eliminação não é possível, devemos ao menos tentar reduzir a exposição a tal alérgeno.

  • Em casa, o paciente deve evitar ter carpetes, cortinas de tecido, sofás cobertos por tecido e bichos de pelúcia.
  • A roupa de cama deve ser lavada com água quente pelo menos uma vez por semana e a casa aspirada na mesma frequência com aspirador de pó com filtro Hepa.
  • Use roupa de cama com tecido antialérgico, principalmente no travesseiro e nas almofadas.
  • Evite dormir nos cômodos da casa que sejam mais úmidos. Uma umidade abaixo de 50% é a ideal. Em casas de dois andares, o mais alto costuma ser o menos úmido. Porões e garagens, por sua vez, costumam ter mais umidade.
  • Evite ter animais domésticos.
  • Não faça exercícios ao ar livre em dias muito frios.
  • Evite contato com cigarro.
  • Tenha especial atenção à presença de baratas em casa.
  • Evite produtos que tenham forte odor.
  • Evite locais com maior concentração de pólen no ar.
  • Vacine-se contra a gripe anualmente (leia: VACINA DA GRIPE – Benefícios e Efeitos Colaterais).
PUBLICIDADE - PUBLICIDAD