BOQUEIRA – QUEILITE ANGULAR – Causas e Tratamento

O acúmulo de saliva no canto da boca parece ser o principal fator desencadeante da queilite angular.

A queilite angular ou comissurite angular, chamada popularmente de boqueira, é aquela famosa feridinha dolorosa que ocorre no canto da boca. A boqueira é uma dermatose comum, caracterizada por inflamação e fissura do ângulo dos lábios.

Diversas situações podem propiciar o aparecimento da boqueira, os mais comuns são o uso de aparelhos odontológicos ou dentaduras. Se as causas não forem atacadas, a lesão pode se perpetuar, tornado-se crônica.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

Neste artigo vamos abordar os seguintes pontos sobre a queilite angular:

  • O que é a boqueira.
  • Sintomas da boqueira.
  • Tratamento da boqueira

O que é a boqueira

A queilite angular é um ferida que ocorre devido a um processo inflamatório no ângulo da boca. A lesões podem ser uni ou bilaterais. Idosos são os mais acometidos, mas a boqueira pode também ocorrer em jovens e crianças.

O acúmulo de saliva no canto da boca parece ser o principal fator desencadeante, facilitando a maceração da pele, formação de fissuras e contaminação da ferida por bactérias ou fungos.

Situações que favoreçam o acúmulo de saliva no ângulo da boca, traumas ou infecção da pele ao redor da boca são os principais fatores de risco para a queilite angular. Podemos citar algumas situações de risco:

  • Processo natural do envelhecimento, que provoca a queda da pele nos cantos da boca, favorecendo o acúmulo de saliva nesta região.
  • Ausência de dentes, que altera o angulação da boca, provocando efeito semelhante ao envelhecimento.
  • Uso de dentaduras mal adaptadas.
  • Uso de aparelhos odontológicos.
  • Candidíase oral (leia: CANDIDÍASE | Sintomas e tratamento).
  • Má higiene oral.
  • Alergia à pasta de dente ou a outros produtos dentários.
  • Problemas de pele que causem lesão ao redor da boca, como dermatite atópica, psoríase ou dermatite seborreica.
  • Lábios ressecados, que favorecem o aparecimento de feridas.
  • Uso de drogas que ressecam a boca, como isotretinoína.
  • Compulsão por lamber os lábios, mantendo-os sempre úmidos e expostos a germes da boca.
  • Consumo excessivo de alimentos ricos em açúcar, que favorece o crescimento do fungo cândida.
  • Uso de corticoides inalatórios, que favorece o crescimento de germes na cavidade oral (leia: PREDNISONA E CORTICOIDES | efeitos colaterais).

Pacientes com deficiência do sistema imune, seja por doenças ou por uso de drogas imunossupressoras, também estão sob maior risco de desenvolverem queilite angular. Estes casos incluem pacientes com HIV, câncer, neutropenia, diabetes mellitus, anorexia ou transplantados de órgãos.

Menos frequentemente, a boqueira pode ser provocada por carências nutricionais, como falta de vitamina B, ferro ou ácido fólico (leia: MITOS E VERDADES SOBRE VITAMINAS).

Sintomas da boqueira

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

Boqueira - Queilite angular

A queilite angular pode se apresentar como uma fissura, rachadura, ulceração, vermelhidão ou crosta no canto da boca. As lesões não entram para dentro dos boca, limitando-se à junção da pele com a mucosa dos lábios. Como a pele do ângulo dos lábios está lesionada, a simples ação de abrir a boca pode provocar intensa dor e ardência. A lesões da queilite angular não costumam sangrar, mas podem se infectar, ficando bem inflamadas e com uma crosta de pus.

A queilite angular pode se tornar uma lesão crônica e persistente ou apresentar períodos de melhora alternados com agravamentos e retorno das lesões.

Tratamento da boqueira

A primeira parte do tratamento para curar a boqueira é tentar eliminar ou corrigir problemas que estejam propiciando o seu aparecimento. Em muitos casos a simples eliminação dos fatores de risco é suficiente para curar a queilite angular. Nos idosos, o uso de uma prótese dentária adequada pode ser a única medida necessária.

Em muitos casos, todavia, só conseguimos curar a boqueira com remédios. O uso de pomadas pode resolver o problema, mas é preciso antes investigar a presença de bactérias ou fungos nas lesões, pois a composição das pomadas muda conforme o germe que se quer tratar.

Se não houver infecção bacteriana ou fúngica, pomadas hidratantes e anti-inflamatórias, como óxido de zinco (presente no Hipoglós) ou Omcilon A Orabase são úteis. Cremes à base de vaselina também são uma opção.

Se houver infecção por fungos, pomadas com cotrimazol, nistatina ou miconazol podem ser usadas. Em alguns casos, o médico pode indicar o uso de comprimidos de fluconazol para ajudar na eliminação da lesão fúngica. Se houver infecção por bactérias, pomadas como a mupirocina estão indicadas. O tratamento da boqueira com pomadas é geralmente feito por 1 a 3 semanas.

PUBLICIDADE - PUBLICIDAD

VEJA OUTROS ARTIGOS SEMELHANTES